terça-feira, 17 de novembro de 2009

Da doçura do amor e da infância

— Lembra quando nós éramos crianças e vendiam um pirulito pequenininho, de sabor tutti-frutti, cuja embalagem sempre grudava no doce e dava um trabalho danado pra abrir?
— Lembro. Você adorava esse doce. Eu sempre lhe comprava um bocado quando queria me desculpar de alguma coisa.
— Pois é. Ainda vendem. O sabor continua maravilhoso!
— É?
— É... você é o meu doce pequeninho que dá trabalho pra abrir, mas que, no final do dia, recompensa todos os esforços. Eu amo você.

Um comentário: